Pular para o conteúdo principal

O curta, o canto e uma longa história.

Nos últimos anos pude vivenciar várias experiências com audiovisual. Os cursos de educomunicação fizeram muita diferença na minha formação como professora e, como consequência, na minha prática docente.

Nos cursos aprendi a amar ainda mais a fotografia, aprimorar minha admiração pelo rádio e entendê-lo uma mídia extremamente versátil que se adequou às inovações tecnológicas, e sem dúvida pude viver uma paixão com audiovisual e com a produção de curtas metragens. Fiz muita coisas com os estudantes nos projetos e durante as aulas.

O mais recente curso que participei foi o Minuto Escola, do Festival do Minuto, com o desafio final de criar um curta metragem. Partindo das técnicas, dos filmes minutos assistidos, fiquei pensando numa narrativa que contasse uma história forte, e não deu outra: tinha que ser algo sobre minha mãe, dona Genilda, a quem dediquei o curta

Lembrei de filmes que tenho como referência, cuja história parte da perspectiva de crianças, e pensei em lembranças da infância. Outra referência, foram as narrativas que começam e terminam com um ponto em comum, esse elemento funciona como um coringa. Escrevi num pedaço de papel alguns fatos que conecto no tocante à separação dos meus pais. Fatos esses, que mudaram o curso de nossas vidas (quando digo nossas, me refiro à minha mãe e nós, seus 4 filhos). 

Mas como contar de uma forma leve, algo que foi tão dolorido pra nós? Desenhos? Animações sempre parecem mais leves, e das mãozinhas do Raul, meu filho (11 anos) brotariam os desenhos. Outro elemento importante pra mim: minha mãe cantava muito ouvindo rádio, enquanto trabalhava na máquina de costura. Pensei que um samba daria a liga na história, porque, o outro personagem da narrativa, meu pai, tocava bandeiro. Além disso, os sambas também vinham da vitrola que minha saudosa vó, dona Terezinha, nos deu, e a vitrola foi um dos estopins da separação...  isso na minha perspectiv, e já tinha aí, minha narrativa.

Das coisas que me lembro é um curta sobre uma longa história, uma história que foi da minha mãe, mas poderia ter sido de várias outras mulheres, negras, nas periferias de São Paulo, que trabalham muito, e enquanto trabalham  costumam cantar canções que espantam seus males.


Postagens mais visitadas deste blog

Novembro Negro na aula de Informática Educativa!

Este semestre estou trabalhando com os 8°s anos redes sociais e internet. Iniciamos com os princípios de montagem de Blog, passando pelo Twitter como ferramenta de sintetizar ideias e fazer debates e este mês vamos falar de YouTube, e o foco hoje foram os Youtubers Negros.

Sequência didática:

Contexto: Iniciei a aula levantando com a turma quem segue Canais no Youtube, na sequencia perguntei quantos desses Canais os Youtubers são negros ou negras. Relacionei a pergunta com a data de 20 de Novembro e também com o filme exibido meses atrás no Cine Clube, Uma História de Amor e Fúria. Em seguida comuniquei teríamos dois momentos: a) assistir dois vídeos juntos e b) e leitura e pesquisa.Os vídeos foram previamente selecionados, baixados e colocados na pasta compartilhada. O primeiro sobre a tag #EuSou criada pelo Youtube para o evento YouTubers Black Brasil. O segundo vídeo, um bate-papo de um dos mais antigos youtubers, o PC Siqueira, com a youtuber Nátaly Neri, do canal Afros e Afins. (l…

Movimentos Culturais de Juventude - Cultura Jovem

Esse é um recorte do primeiro capítulo do livro Movimentos Culturais de Juventude. Este trabalho é resultado da discussão do livro e da apresentação dos seminários.  Dá trabalho, mas é bem bacana fazer.

Vamos dar nome aos "Bullying"? Ops, quero dizer: aos bois!

Inúmeras questões me causam incômodos e inquietações na educação, entre elas, o termo "bullying", utilizado com frequência para explicar todos os conflitos vivenciados na escola.  

A sociedade capitalista se construiu e constituiu culturalmente sob vários tipos de preconceitos e violência: racismo, machismo, homofobia, xenofobia, discriminações das mais variadas por conta dos estereótipos e comportamentos padrões. Nadamos contra a maré dos nossos corpos e mentes para sermos socialmente aceitos. Além disso, a violência doméstica cometida contra crianças e adolescentes, com o consenso da sociedade que diz que  "um tapinha não dói", "que não era pra espancar", que "uma surra dada na hora certa educa de forma necessária e eficaz", acaba por naturalizar e, complementar esse quadro lastimável de uma cultura de preconceitos e violência.
 O ambiente escolar, por sua vez, com seus prédios quadrados e salas lotadas, é um lugar que aglomera pes…