Pular para o conteúdo principal

Adoniran é zica!



Outro dia uma aluna minha da 3ª série me disse: “Prô Janaína, você é Zica!”. Zica sempre me remeteu a coisas ruins, só descobri depois que Zica é coisa boa hoje em dia. E por aí vão os termos mudando e mudando, como as gerações.
Me lembro bem que anos atrás trabalhei com meus alunos da 6ª série, uma releitura de Saudosa Maloca, desafiando os alunos a escrever os versos em norma culta... A maloca realmente ficou saudosa, não dava mais pra cantar como Adoniran Barbosa, perdeu a identidade. Pena que na época não trabalhei o preconceito lingüístico (por falta de conhecimento). Hoje, quando trago Saudosa Maloca pra sala de aula, além de falar dos problemas urbanos, trato também das variações e preconceitos com relação aos sotaques.

Nunca escutei ninguém dizendo que Adoniran falasse errado, costumam dizer que “é a mistura do português com o italiano”. Ele teve suas canções interpretadas por belas vozes como as das saudosas  de Clara Nunes e Elis Regina. O problema não é de fato as variações da língua, mas o preconceito contra quem fala. Ninguém discrimina Adoniran porque ele  era filho de imigrantes italianos, era artista, sambista, paulista!

Fico estarrecida quando ouço meus alunos da EJA simplesmente se conformarem que falam errado, e não terem consciência das origens da fala. Passam a ter vergonha de falar, de se expressar, de compartilhar.

Concordo que precisamos ter uma base como referência, principalmente na educação, afinal, linguagem é o pensar, o fazer, o refletir, e quanto mais ampla a linguagem, mais possibilidades de se ampliar o pensamento. O que não significa de maneira alguma que só é amplo o pensamento de quem conhece a norma culta.

Não tenho dúvidas de que para ampliar o vocabulário de meus alunos de forma significativa tenho que incentivá-los a leitura, ler de Machado de Assis a Marcelino Freire, passando por Ferrez e Guimarães Rosa.

Assim como não tenho dúvidas de que posso compreender as coisas da vida ouvindo Abrigo dos Vagabundos de Adoniran Barbosa, Construção, em norma culta pra ninguém botar defeito, de Chico Buarque, com o baião de Luiz Gonzaga e ainda mais com Negro Drama dos Racionais Mc's e como diz o Mano Brow na “Gíria não, (no) dialeto!”.


E já que está frio e vou “homenagiá” o meu blog com um trechinho de “As Mariposa” de Adoniran:

“As mariposa quando chega o frio
Fica dando vorta em vorta da lâmpida pra si isquentá
Elas roda, roda, roda e dispois se senta
Em cima do prato da lâmpida pra descansá”

Resultado de imagem para adoniran barbosa caricatura


Postagens mais visitadas deste blog

Novembro Negro na aula de Informática Educativa!

Este semestre estou trabalhando com os 8°s anos redes sociais e internet. Iniciamos com os princípios de montagem de Blog, passando pelo Twitter como ferramenta de sintetizar ideias e fazer debates e este mês vamos falar de YouTube, e o foco hoje foram os Youtubers Negros.

Sequência didática:

Contexto: Iniciei a aula levantando com a turma quem segue Canais no Youtube, na sequencia perguntei quantos desses Canais os Youtubers são negros ou negras. Relacionei a pergunta com a data de 20 de Novembro e também com o filme exibido meses atrás no Cine Clube, Uma História de Amor e Fúria. Em seguida comuniquei teríamos dois momentos: a) assistir dois vídeos juntos e b) e leitura e pesquisa.Os vídeos foram previamente selecionados, baixados e colocados na pasta compartilhada. O primeiro sobre a tag #EuSou criada pelo Youtube para o evento YouTubers Black Brasil. O segundo vídeo, um bate-papo de um dos mais antigos youtubers, o PC Siqueira, com a youtuber Nátaly Neri, do canal Afros e Afins. (l…

Movimentos Culturais de Juventude - Cultura Jovem

Esse é um recorte do primeiro capítulo do livro Movimentos Culturais de Juventude. Este trabalho é resultado da discussão do livro e da apresentação dos seminários.  Dá trabalho, mas é bem bacana fazer.

Vamos dar nome aos "Bullying"? Ops, quero dizer: aos bois!

Inúmeras questões me causam incômodos e inquietações na educação, entre elas, o termo "bullying", utilizado com frequência para explicar todos os conflitos vivenciados na escola.  

A sociedade capitalista se construiu e constituiu culturalmente sob vários tipos de preconceitos e violência: racismo, machismo, homofobia, xenofobia, discriminações das mais variadas por conta dos estereótipos e comportamentos padrões. Nadamos contra a maré dos nossos corpos e mentes para sermos socialmente aceitos. Além disso, a violência doméstica cometida contra crianças e adolescentes, com o consenso da sociedade que diz que  "um tapinha não dói", "que não era pra espancar", que "uma surra dada na hora certa educa de forma necessária e eficaz", acaba por naturalizar e, complementar esse quadro lastimável de uma cultura de preconceitos e violência.
 O ambiente escolar, por sua vez, com seus prédios quadrados e salas lotadas, é um lugar que aglomera pes…