Pular para o conteúdo principal

Happy hour de professoras acaba nisso...




Depois do happy hour com minhas amigas e também colegas de profissão para comemorar o inicio de mais um ano letivo, fui para casa pensando nas inferências feitas por elas sobre minha visão de educadora. Das palavras profissionais e missionários, me surgiram várias ideias, mas resolvi simplesmente brincar e pensei na seguinte analogia: imagine deparar-se num happy hour com um operário ludita, um operário cartista e um operário soviete? Peraí, e se os três, ao invés de operários fossem professores, como seria esta conversa?

 Guardadas as devidas proporções e claro com alguns exageros que a crônica merece, segue abaixo uma suposição para essa conversa:
O professor ludita defenderia que os verdadeiros culpados pelo fracasso da escola são os alunos desinteressados. E proporia o fim do alunado. "Vamos acabar com o mal pela raíz!" - diria enraivecido. (Tal como os operários luditas que destruíram as máquinas no século XIX, por considerarem que elas os substituíriam). Já o professor cartista iria propor reivindicações ao governo, para ele o real responsável pelos problemas na educação, inclusive, solicitaria que os professores fizessem parte de um percentual do senado federal. (Tal como os cartista do século XIX, que viram na ação politica, a possibilidade de mudanças na precária vida operária). E o professor soviete, afirmaria que só com a formação de um conselho nacional de educação, constituído apenas por professores, alunos e pais é que seria possível revolucionar a educação brasileira. (os sovietes foram os conselhos formados por camponeses, operários e soldados russos no processo revolucionário 1905/1917).

 Imaginemos que a conversa seguiria noite a dentro, com defesas, réplicas, tréplicas a exaustão, até que o dono do bar solicitasse que os três senhores pudessem sair, pois ele gostaria de fechar. Neste momento, os três professores se uniriam contra o dono do bar, vendo nele um inimigo comum, desagregador, que não os deixa defender suas propostas, que quer vê-los pelas costas, alguém contrário às mudanças. Para você leitor fica a pergunta: numa analogia quem poderia ser o dono do bar?

Resultado de imagem para krabappel

Postagens mais visitadas deste blog

Novembro Negro na aula de Informática Educativa!

Este semestre estou trabalhando com os 8°s anos redes sociais e internet. Iniciamos com os princípios de montagem de Blog, passando pelo Twitter como ferramenta de sintetizar ideias e fazer debates e este mês vamos falar de YouTube, e o foco hoje foram os Youtubers Negros.

Sequência didática:

Contexto: Iniciei a aula levantando com a turma quem segue Canais no Youtube, na sequencia perguntei quantos desses Canais os Youtubers são negros ou negras. Relacionei a pergunta com a data de 20 de Novembro e também com o filme exibido meses atrás no Cine Clube, Uma História de Amor e Fúria. Em seguida comuniquei teríamos dois momentos: a) assistir dois vídeos juntos e b) e leitura e pesquisa.Os vídeos foram previamente selecionados, baixados e colocados na pasta compartilhada. O primeiro sobre a tag #EuSou criada pelo Youtube para o evento YouTubers Black Brasil. O segundo vídeo, um bate-papo de um dos mais antigos youtubers, o PC Siqueira, com a youtuber Nátaly Neri, do canal Afros e Afins. (l…

Movimentos Culturais de Juventude - Cultura Jovem

Esse é um recorte do primeiro capítulo do livro Movimentos Culturais de Juventude. Este trabalho é resultado da discussão do livro e da apresentação dos seminários.  Dá trabalho, mas é bem bacana fazer.

Vamos dar nome aos "Bullying"? Ops, quero dizer: aos bois!

Inúmeras questões me causam incômodos e inquietações na educação, entre elas, o termo "bullying", utilizado com frequência para explicar todos os conflitos vivenciados na escola.  

A sociedade capitalista se construiu e constituiu culturalmente sob vários tipos de preconceitos e violência: racismo, machismo, homofobia, xenofobia, discriminações das mais variadas por conta dos estereótipos e comportamentos padrões. Nadamos contra a maré dos nossos corpos e mentes para sermos socialmente aceitos. Além disso, a violência doméstica cometida contra crianças e adolescentes, com o consenso da sociedade que diz que  "um tapinha não dói", "que não era pra espancar", que "uma surra dada na hora certa educa de forma necessária e eficaz", acaba por naturalizar e, complementar esse quadro lastimável de uma cultura de preconceitos e violência.
 O ambiente escolar, por sua vez, com seus prédios quadrados e salas lotadas, é um lugar que aglomera pes…