Pular para o conteúdo principal

COTAS SIM!

Resultado de imagem para cotas sim 

No tocante a aprovação essa semana de cotas étnicas na Unicamp, um eterno aluno me questiona em rede social porquê sou a favor das cotas. Fiz uma breve reflexão: 

Dizer não as cotas é dizer q não existe um abismo entre brancos e negros, entre brancos e indígenas no Brasil. Nós negr@s saímos em total desvantagem na corrida por qualquer coisa. E as cotas são parte das "indenizações" que não recebemos quando da falsa abolição, que colocou nossos ancestrais nas ruas com uma mão na frente e outra atrás. Não precisaríamos de cotas se nós, negros e indígenas, não fôssemos os mais pobres. Não precisaríamos de cotas se não houvesse racismo. As cotas não são um fim, elas são um meio pra chegar a uma equidade mínima, quem sabe... Embora no capitalismo elas sejam importantes numa perspectiva de resistência, ainda são muito paliativas, mesmo assim, não podemos abrir mão, pelo contrário, ampliar de forma estratégica todos os direitos, nenhum direito a menos! Pelo direito às cotas!


Postagens mais visitadas deste blog

Novembro Negro na aula de Informática Educativa!

Este semestre estou trabalhando com os 8°s anos redes sociais e internet. Iniciamos com os princípios de montagem de Blog, passando pelo Twitter como ferramenta de sintetizar ideias e fazer debates e este mês vamos falar de YouTube, e o foco hoje foram os Youtubers Negros.

Sequência didática:

Contexto: Iniciei a aula levantando com a turma quem segue Canais no Youtube, na sequencia perguntei quantos desses Canais os Youtubers são negros ou negras. Relacionei a pergunta com a data de 20 de Novembro e também com o filme exibido meses atrás no Cine Clube, Uma História de Amor e Fúria. Em seguida comuniquei teríamos dois momentos: a) assistir dois vídeos juntos e b) e leitura e pesquisa.Os vídeos foram previamente selecionados, baixados e colocados na pasta compartilhada. O primeiro sobre a tag #EuSou criada pelo Youtube para o evento YouTubers Black Brasil. O segundo vídeo, um bate-papo de um dos mais antigos youtubers, o PC Siqueira, com a youtuber Nátaly Neri, do canal Afros e Afins. (l…

Movimentos Culturais de Juventude - Cultura Jovem

Esse é um recorte do primeiro capítulo do livro Movimentos Culturais de Juventude. Este trabalho é resultado da discussão do livro e da apresentação dos seminários.  Dá trabalho, mas é bem bacana fazer.

Vamos dar nome aos "Bullying"? Ops, quero dizer: aos bois!

Inúmeras questões me causam incômodos e inquietações na educação, entre elas, o termo "bullying", utilizado com frequência para explicar todos os conflitos vivenciados na escola.  

A sociedade capitalista se construiu e constituiu culturalmente sob vários tipos de preconceitos e violência: racismo, machismo, homofobia, xenofobia, discriminações das mais variadas por conta dos estereótipos e comportamentos padrões. Nadamos contra a maré dos nossos corpos e mentes para sermos socialmente aceitos. Além disso, a violência doméstica cometida contra crianças e adolescentes, com o consenso da sociedade que diz que  "um tapinha não dói", "que não era pra espancar", que "uma surra dada na hora certa educa de forma necessária e eficaz", acaba por naturalizar e, complementar esse quadro lastimável de uma cultura de preconceitos e violência.
 O ambiente escolar, por sua vez, com seus prédios quadrados e salas lotadas, é um lugar que aglomera pes…